AGRADECIMENTO

Blog de comunicacao :FORMAS DE COMUNICAÇÃO, AGRADECIMENTO

terça 05 junho 2012 13:42


GÊNEROS LITERÁRIOS

Blog de comunicacao :FORMAS DE COMUNICAÇÃO, GÊNEROS LITERÁRIOS

DEFINIÇÃO DE POEMA

     Um poema é uma obra literária que pertence ao âmbito da poesia. O texto pode ser apresentado/redigido sob a forma de verso, estrofes ou prosa; neste último caso, dá-se-lhe o nome de prosa poética Um poema pode ser a respeito de vários temas, porém os mais comuns são: amor, valorização da natureza, tema épico, feito heróico, etc.  A pessoa que se dedica à criação de poemas denomina-se poeta (masculino) ou poetisa (feminino).

     Na antiguidade, todas as obras literárias eram conhecidas pelo nome de poema, já que a palavra deriva do verbo grego poesin (“acção de fazer alguma coisa”). Portanto, o poema era qualquer tipo de produção de literatura.

     Entre os poemas, considera-se que o género mais subjectivo é a lírica, uma vez que o autor costuma aparecer dentro do texto. O poeta situa-se quase sempre no presente e o seu modo de expressão mais usual é o verso curto, com recorrências fónicas, semânticas e de estrutura sintáctica.

http://conceito.de/poema

DEFINIÇÃO DE CONTO

     Contos são estórias curtas, menores que novelas (que são longas), e primam pela concisão, precisão, densidade, em um só conflito, um só drama e uma só ação no espaço e no tempo.  Como características principais do conto estão: a concisão, a precisão, a densidade, um só conflito, um só drama, uma só ação no espaço e no tempo,  e deve surtir no leitor uma unidade de efeito ou impressão total.

Para que uma história seja classificada como Conto de Fadas, deve abranger quatro etapas narrativas:

1 - A travessia - que leva o herói ou heroína a um lugar diferente, cheio de magia e fantasia. (ex. - Joãozinho e Mariazinha saem da casa paterna e são deixados na floresta), que representa o mundo desconhecido.

2 - O encontro com a presença diabólica, que pode ser uma bruxa, uma madrasta má ou alguma outra figura com características malévolas: (o encontro de Joãozinho e Mariazinha com a bruxa da casa de doces).

3 - A conquista, etapa na qual o herói ou heroína irá travar uma luta de vida ou morte com a figura malévola do conto e que resultará na morte desta última. (Mariazinha luta com a bruxa, derrubando-a no caldeirão fervente).

4 - A celebração - onde haverá ou um casamento, ou uma reunião de família, em que estarão comemorando a morte da figura malévola e todos então poderão viver felizes para sempre. (Joãozinho e Mariazinha retornam à casa paterna trazendo jóias, que simbolizam o conhecimento adquirido, enriquecimento psicológico e maturidade).

http://www.fabulasecontos.com.br/?pg=descricao&id=221

 

 

          DEFINIÇÃO DE CRÔNICA

   A crônica é uma espécie de texto literário que aproveita os pequenos fatos do dia-a-dia. Por assim dizer, qualquer assunto serve de motivação, pois surge de histórias que o cronista ouviu, passando por um processo de adaptação, ou criadas por ele mesmo.
   Atualmente, a crônica tem uma tendência para expressar as situações onde ocorrem flagrantes da vida social, modificados pela habilidade do escritor. Mesmo quando o caso é sério, ele pode explorar o sentido duplo que têm as palavras e as situações, provocando o riso.
    Quanto à estrutura, ela se apresenta de vários modos: podem ser em forma de entrevista, narrativa, descritiva, dissertativa, confissão, diálogo, monólogo, comentário, análise, crítica, história, lenda, etc., sempre apresentando uma linguagem próxima do coloquial. Por isso, ela não é exigente na escolha de profundos leitores, quando sua facilidade de compreensão fascina e agrada a todos. Primeiro, por ser um texto curto, que não enfada, depois, pelo jeito agradável que transforma um simples acontecimento em algo visto por uma maneira diferente  surpreendente.
     Dessa forma, a crônica busca captar o instante como se pretendesse eternizá-lo. Sendo formada de coisas simples da vida, sua brevidade é também um traço característico.

http://www.nacaocultural.pe.gov.br/o-que-e-uma-cronica-admmauro-gommes

DEFINIÇÃO DE PARLENDA

     As parlendas são brincadeiras  antigas e fazem parte do folclore brasileiro, geralmente são pequenos versinhos com palavras que rimam entre si e que proporcionam às crianças divertimento e aprendizagem. Nem sempre os versinhos têm algum nexo, mas o que vale é o caráter lúdico.  Atualmente as Parlendas têm sido muito utilizadas pelos educadores de infância em sala de aula, é uma brincadeira que toda criança gosta e se interessa, já que estimula a imaginação de cada um. As parlendas podem ser utilizadas para memorização de números, dias da semana, meses, nomes de cidades e outros temas diversos;  o professor pode criar a sua própria parlenda que mais e adéqüe ao momento educacional da criança.

http://www.bigmae.com/o-que-sao-parlendas/

 

DEFINIÇÃO DE FÁBULA

    Há textos narrativos que apresentam um ensinamento, visando a moralizar os costumes e a corrigir o comportamento das pessoas. As fábulas são narrativas morais, em que os personagens são geralmente animais. Eles são apresentados como se fossem capazes de agir como pessoas, com a finalidade de mostrar as falhas e os defeitos humanos. No final do texto, sempre há, uma mensagem moralizante que leva o leitor à uma reflexão. Nas fábulas lidas, cada moral revela um ensinamento em relação às ações e sentimentos das pessoas, como exemplo, a inveja, preguiça, competição, ciúmes, entre muitos outros.

http://edithchacon.sites.uol.com.br/html/fab.htm

 

 

             

 

 EXEMPLO REAL, TRABALHANDO-SE COM
FÁBULAS.

ONDE VOCÊ MORA?

Faixa etária: 5 e 6 anos.

OBJETIVOS

 Estimular a criatividade, sensibilidade, curiosidade e imaginação;

v   Trabalhar a coordenação motora, atenção e  raciocínio;

v  Conhecer vários tipos de moradia;

v  Compreender a importância da moradia.

  METODOLOGIA/PROCEDIMENTO

    Primeiramente, iniciamos com uma roda de conversa, com várias fotos sobre os tipos de moradia que existem, em seguida será lida a fábula “os três porquinhos”, que passa a moral sobre segurança, onde trabalharemos em colagens, com palitos de sorvete, para se construir o tipo de moradia onde a criança mora, que é um lugar onde esta se sente segura. Finalizando com um desenho da história sobre os três porquinhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


sexta 01 junho 2012 08:58


Reflexão...

Blog de comunicacao :FORMAS DE COMUNICAÇÃO, Reflexão...

 

'''Aprendi que a disciplina sem sonhos produz servos que fazem tudo automaticamente. E os sonhos sem disciplina produzem pessoas frustradas que não transformam os sonhos em realidade.
Aprendi que os sonhos transformam a vida numa grande aventura. Eles não determinam o lugar aonde você vai chegar, mas produzem a força necessária para arrancá-lo do lugar em que você esta.
Aprendi que ninguém é digno do pódio se não usar suas derrotas para alcançá-lo. Ninguém é digno da sabedoria se não usar suas lágrimas para cultivá-la. Ninguém terá prazer no estrelato se desprezar a beleza das coisas simples no anonimato.Pois nelas se escondem os segredos da felicidade.'''


Augusto Cury....

 

 

**Livro perfeito, as pedagogas de plantão!!!!!Leitura obrigatória!!**

domingo 06 maio 2012 16:44


Comunicação, a base de tudo...

Blog de comunicacao :FORMAS DE COMUNICAÇÃO, Comunicação, a base de tudo...

domingo 01 abril 2012 11:00


LÍNGUA E LINGUAGEM

LINGUA E LINGUAGEM

Publicado em: 04/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,308 |

 

Tweet5

 

INTRODUÇÃO

Na sociedade em que vivemos a linguagem perpassa cada uma de nossas atividades individuais e coletivas, verbais e não verbais. As línguas se cruzam, se complementam e se modificam incessantemente, acompanhando o movimento de transformação do ser humano e suas formas de organização social. No presente artigo aborda-se a língua e a linguagem verificando-se no ato da fala estas qualificam-se no processo comunicativos do ser falante. A obra fora confeccionada na visão do estudioso Saussure, onde o mesmo será publicado via on line,para que possa  contribuir com os acadêmicos,professores e outros interessados no campo da ciência em prol social.

1. LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

A língua é, portanto como afirma Saussure é um "sistema de signos", ou seja, um conjunto de unidades que estão organizadas, formando um todo. O signo como associação entre significantes (imagem acústica) e significado (conceito).

A linguagem verbal é por sua natureza comunicativa, faz com as pessoas se entendam e possam construir referenciais comuns entre si. Conjunto dos sons emitidos quando se fala tem uma ordem, uma gramática da língua.A língua, como vimos, é a linguagem que utiliza a palavra como sinal de comunicação.

O caráter social da língua é facilmente percebido quando levamos em conta que ela existe antes mesmo de nós nascermos. Cada um de nós já encontra a língua formada e em funcionamento, pronta para ser usada. E, mesmo quando a pessoa deixa de existir, a língua, subsistirá independentemente de nós. A língua pertence a todos os membros de uma comunidade; por isso faz parte do patrimônio social e cultural de cada coletividade.

 

 

Linguagem é um conjunto de sinais de que o homem se serve para comunicar-se. A comunicação humana é realizada de várias maneiras, por meios de apelos visuais, auditivos, linguagem corporal e principalmente pela linguagem verbal.

A linguagem não é só um sistema um instrumento utilizado para a comunicação ou veiculação de informações, mas principalmente, uma forma de mostrarmos socialmente aquilo que pensamos que somos o que entendemos do mundo, o que gostaríamos que os outros enxergassemem nós. Para Suassure(1969:26-28)

"Se na dicotomia sincronia versus diacrônica se estabelecem duas maneiras de estudar a língua, na dicotomia língua versus fala há a definição do conceito de língua. Porque a língua é coletiva e a fala e a é particular, portanto, a língua é um dado social e a fala é um dado individual. Além disso, a língua é sistemática e a fala é assistemática".

Baseado em um dos estudos de Saussure sobre a linguagem, destaca-se a relação intrínseca língua e fala. Na definição do lingüista genebrino, língua "é a parte social da linguagem que, em forma de sistema, engloba todas as possibilidades de sons existentes em uma comunidade". Passado desse principio, a língua se caracteriza como ato exterior ao individuo que, não pode criá-la nem modificá-la. De acordo com os lingüistas, a língua evolui de geração em geração.

A língua é uma construção de determinada sociedade e, portanto, um conjunto de escolhas que representam os valores, os modos de se ver, sentir e ser dos grupos sociais. O conjunto de regras de uma língua é estudada pela gramática.

A língua é exterior aos indivíduos, e por isso, este não podem criá-las ou modificá-las individualmente. Ela só existe em decorrência de espécie de contato coletivo que se estabeleceu entre as pessoas e ao quais todos aderiram. A língua portuguesa, por exemplo, pertence a todos que dela se utilizam. Embora popularmente a maioria das pessoas utilize as palavras linguagem, língua e fala para designar a mesma realidade, do ponto de vista lingüístico, esses termos não devem ser confundidos.

É claro que a distinção que se faz entre linguagem, língua e fala tem caráter meramente metodológico, uma vez que esses três conceitos revelam aspectos diferentes de um processo amplo, que o da comunicação humana. Isso, provavelmente, explique a razão por que a maioria das pessoas emprega essas três palavras para designar uma mesma realidade.

Linguagem é todo sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos de comunicação. Ao nosso redor pode-se observar vários tipos de linguagens, tais como, a linguagem dos surdos-mudos, dos sinais de trânsito,a linguagem que usamos,etc.

Além da linguagem verbal, cuja unidade básica é a palavra (escrita, falada), existe linguagens não-verbais que são aquelas que utilizamos para atos de comunicação outros sinais que não palavras, como a música, a dança, etc. Mais recentemente com o aparecimento da informática, surgiu também a linguagem digital, que permite armazenar e transmitir informações em meios eletrônicos.

 

1.2 As variedades lingüísticas

 

Cada um de nós começa aprender a língua em casa, em contato com a família e com as pessoas que nos cercam. Aos poucos vamos treinando nosso aparelho fonador (os lábios, a língua, os dentes, os maxilares, as cordas vocais) para produzir sons que transformam em palavras, frases e textos inteiros, e vamos nos apropriando ao vocabulário das leis combinatórias da língua,ate nos tornarmos bons usuários dessas ,seja pra falar e ouvir ,seja para escrever ou ler .

Em contato com outras pessoas na rua, na escola, no trabalho, observamos que nem todas falam como nos isso ocorre por diferentes razões: porque a pessoa vem de outra região, por ser mais velha ou mais jovem; possuir menor ou maior grau de escolaridade; por pertencer ao um grau de escolaridade; por pertencer ou classe social diferente. Essas diferenças no uso da língua constituintes as variedades lingüística.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Portanto a língua é um aspecto da linguagem. Trata-se de um sistema de natureza gramatical. Pertence a um grupo de indivíduos, formado por um conjunto de sinais (palavras) e por um conjunto de regras e combinações desta. É uma instituição social de caráter abstrato, exterior aos indivíduos que a utilizam, que somente concretiza através da fala e que é também um ato individual de vontade e inteligência.

No entanto, se compreendermos a língua como fruto de um processo de construção histórica e social, concluiremos que ela está em constante transformação;sem cristaliza-se em formas eternas, ela muda.Porque o ser humano é assim, mutante e criativo. As necessidades humanas se alteram, e com elas a língua que as representa e cria referenciais históricos.

REFERÊNCIAS

CEREJA, William. Português 1 Linguagens. 6. ed., São Paulo: Atual, 2008

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix/ Edusp, 1969.

 

sábado 31 março 2012 21:33


|

Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para comunicacao

Precisa estar conectado para adicionar comunicacao para os seus amigos

 
Criar um blog